Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

há pêssegos na lua

há pêssegos na lua

29
Abr14

Passado, o que és tu?

Por mais que digam que o passado já lá vai e que passado é passado, existem sempre pequenas coisas que nos fazem estar ligadas (felizmente ou infelizmente) a ele.

Mas até que ponto será correto uma pessoa continuar a julgar essas acções?
Quem está no direito de julgar seja o que for quando não esteve presente?
Quem está no direito de exigir seja o que for quando não esteve presente?
Quem está no direito?

Penso que ninguém, nem eu nem outros podemos criticar seja o que for do que foi feito (passado longínquo)... Afinal o que é que isso vai mudar?
Vai servir para arranjar discussões que, ao fim ao cabo acabam por ser demasiado idiossincráticas, certo?
Vai servir para se ficar ainda mais magoado, não?

É preciso saber aceitar o que já foi para assim o que aí vem passar a fazer parte de um melhor passado.

Afinal, passado o que és tu? A pain in the ass, but...

17
Abr14

Ai santa paciência!

Eu sei que tenho andado desaparecida, mas têm surgido imensas coisas relativamente a work e alguns pessoais. Mas ao longo deste tempo reflecti sobre o que queria continuar a escrever no blog e visto que eu sou uma cobaia da minha própria doença lembrei-me de começar a escrever reviews de restaurantes onde tenho comido, explicando várias coisas como: preços, qualidade da comida, cuidados, atitudes etc.

E sem mais demoras eis o que me aconteceu esta semana:
Fui a um fast-food e que faziam basicamente grelhados e kebab's. Expliquei-lhe o meu problema, que não podia comer nada de massas, pão, molhos, alimentos feitos de trigo. Pedi arroz branco, salada, batatas e a carne. Paguei e sentei-me.
Só quando cheguei à mesa é que vi que tinha qualquer coisa a mais no arroz, fui perguntar o que era e a rapariga responde-me que era aletria.

Informei que aletria era massa e que esta se não fosse própria, tinha trigo.
A rapariga começou a dizer que não, que aletria não tinha gluten, pedi-lhe para ir verificar e ela recusou-se. Nesse momento aparece outra pessoa que ouve a conversa e que confirma o que eu dizia.
Pedi para me servir novamente com salada, batatas e carne, e se eu não reparasse a moça iria servir-me no mesmo prato onde tinha o arroz com a massa.... contaminação cruzada ao rubro!
Exigi um prato lavado com os novos ingredientes e tudo feito à minha frente e ainda tive direito a um olhar da morte.
Ouço a rapariga a dizer: "Para isso mais vale ir comer a casa ou trazer comida de casa". Expliquei-lhe o mesmo que por vezes surgem imprevistos e perguntei se por acaso eles não têm recebido alguma formação devido às intolerâncias alimentares que estão a surgir. Ela respondeu que não e que nunca tiveram formação.


No fim da conversa fiquei a perceber é que metade dos empregados estão ali só porque sim, não querem trabalhar fazem o que lhes apetece, fazem ouvidos de mouco, só ouvem o que lhes interessa  e depois ainda reclamam. Às vezes pergunto-me o que raio estão ali a fazer!
Estou chocada com a formação que (não) dão aos funcionários de determinados sítios. E eu sei, que o melhor é levar sempre feito de casa...Mas quando surgem imprevistos é impossível!
De qualquer das maneiras nada custa as pessoas a terem um bocado de atenção ao que lhes é dito e terem um bocado de boa fé e de boa vontade.
 
Certo?

Welcome.


➳ portuguesa, celíaca

Queres falar comigo? hapessegosnalua@gmail.com


yôkoso!

Seguir

Follow

Google+ Followers

Instagram

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D